loading...

Até um leigo geria melhor o dinheiro do estado. 45 milhões de euros para abortos!









Nos Açores não há médicos dispostos a fazer abortos. Por isso mandam as senhoras de avião para o continente para abortarem na Clínica dos Arcos (Privada).

O governo paga transportes para o casal, estadia por dois ou três dias e a intervenção cirúrgica, que nas clínicas privadas é feita com anestesia geral.
 
No entanto pessoas que precisam de fazer qualquer outro tipo de intervenção cirúrgica, grave e muitas vezes vital, aguentam o desespero de ter que esperar meses!!!!!

Mas não é apenas nas ilhas que se envia para o privado, também em Portugal continental praticam este tipo de despesismo.
 
No serviço nacional de saúde, 75% dos médicos são objectores de consciência, o que faz com que não haja médicos suficientes, mas não se compreende como é que no privado há!!!??? Será que os objectores ficaram todos no estado e os outros foram para o privado? Ou é apenas um negócio?

A lei do aborto permite abortos, grátis, sem limite por mulher, o que faz com que haja mulheres que utilizam o aborto como anticoncepcional. Ou seja não tomam cuidados alguns, não respeitando o SNS nem respeitando as polémicas em torno do aborto.

A partir do 2º ou 3º aborto deveria ser pago. Digo eu...
O aborto, pago pelo estado, deveria reger-se por normas que levem as pessoas a ser cautelosas e a evitar o aborto, nunca facilita-lo ao ponto de haver mulheres a usa-lo como "contraceptivo".

Em 2010, a Clínica dos Arcos fez 5861 abortos, dos quais 4383 foram encaminhados pelo SNS. O Estado suportou os custos e pagou cerca de 2,2 milhões de euros. Em 2011, e até Abril, a clínica já efectuou 2196 abortos, mas não precisou o número de mulheres provenientes dos hospitais públicos.
 
"O Governo regional dos Açores gastou quase 400 mil euros com a deslocação para Lisboa de mulheres que querem fazer abortos legais. Nas nove ilhas do arquipélago, apenas dois médicos não são objectores de consciência, o que obriga a maioria a viajar para a capital para interromper a gravidez. "

Estado gastou 45 milhões de euros, em abortos, desde que a lei entrou em vigor.
 
Cada interrupção voluntária da gravidez custa 700 euros, em média. Em 2011 foram gastos 11,5 milhões de euros.
 
Desde que a lei entrou em vigor, em meados de 2007, a interrupção voluntária da gravidez (IVG) custou aos cofres do Estado quase 45 milhões de euros.
 
É a primeira vez que o governo dá a conhecer dados sobre os custos do aborto e a tendência aponta para gastos na ordem dos 12 milhões de euros por ano. Só nos primeiros dois anos – 2007 e 2008 – os valores foram inferiores.
 
Os gastos do Estado com a interrupção voluntária da gravidez têm sido um dos argumentos dos defensores do “não” à despenalização, mas os números apresentados pela Federação pela Vida são muito superiores aos do governo. Um estudo deste movimento apontava, em Fevereiro, para gastos, directos e indirectos, na ordem dos 100 milhões de euros.
 
O aborto voltou à agenda política pela mão do CDS, que quer avançar em breve com um projecto de lei que acabe com a isenção das taxas moderadoras para as mulheres que recorram aos serviços públicos para IVG. O tema não é pacífico dentro da coligação, já que o PSD só admite alterar a legislação para os casos reincidentes, que são uma minoria, como o i noticiou ontem. De acordo com os últimos dados da Direcção-Geral da Saúde, mais de 75% das mulheres que interromperam a gravidez em 2011 fizeram-no pela primeira vez, o que faz com que as diferenças entre os dois partidos não sejam uma nuance.
 
Já o PS contesta qualquer mudança nas isenções e, salvaguardando que o projecto de lei ainda não é conhecido, acusa o CDS de estar a preparar-se para limitar “o acesso a esta prática”.
 
O deputado António Serrano avisa que os portugueses estão “massacrados com taxas moderadoras e não faz sentido alterar o que foi uma opção dos portugueses”.
 
A intenção do CDS é retirar a IVG do estatuto de “excepção e privilégio”, explicou anteontem ao i a deputada Teresa Caeiro. No fundo, os centristas querem que as mulheres que fazem abortos deixem de ser beneficiadas com as isenções que se aplicam às mulheres que querem levar a gravidez até ao fim.

Fonte e foto: Apodrectuga (2011)
Até um leigo geria melhor o dinheiro do estado. 45 milhões de euros para abortos! Até um leigo geria melhor o dinheiro do estado. 45 milhões de euros para abortos! Reviewed by Eles Não Gostam on 18:16:00 Rating: 5
Loading...
Com tecnologia do Blogger.